Cavalo


www.RecadosOnline.com

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Por que trabalho com Pônei?

O trabalho com pônei me facilita o contato na aproximação...na foto estou abraçada com a fofíssima Chuva nossa pônei muito dócil. Como diz a personagem do desenho Meu malvado favorito 1 Agnes:
Resultado de imagem para meu malvado favorito e o ponei
Agnes e o unicórnio


EQUOTERAPIA E AUTISMO

O desenvolvimento da função motora através da equoterapia é muito significativo em autistas 
e pode ter impacto imediato nos hábitos de independência, sugerindo a necessidade de um trabalho intensivo como meio de ter impacto sobre os aspectos afetivo, cognitivo e também social (FREIRE, 1999).

Este recurso terapêutico pode melhorar as relações sociais de crianças autistas com o

favorecimento de uma melhor percepção do mundo externo e adequação nos ajustes tônico posturais (FREIRE, 2003).

De acordo com Roberts (2002), há semelhanças entre comportamentos autistas e algumas

atitudes do cavalo. Barulhos fortes, mudanças na rotina e ambientes desconhecidos causam
insegurança em ambos, e grande parte da comunicação que eles estabelecem depende de
linguagem corporal.

Eles toleram uma quantidade restrita de contatos físicos, que nunca ocorrem por imposição.

De acordo com este autor, a capacidade instintiva do cavalo de perceber as intenções do
cavaleiro leva o animal a acalmar-se quando montado por um autista. O contato com animais pode gerar troca de expectativas e de representação de regras sociais, quando usado em terapias (WILSON & TURNER, 1998).

E não é só com autistas mas com o praticante que demonstra desconforto com o cavalo maior no começo da terapia: medo, insegurança, baixa estima, sentimento de fracasso (não vou dar conta), o contato visual dependendo do caso já causa uma impressão que vai ser ativada de acordo com o contexto psicológico e comportamental do indivíduo que vem para a sessão. Aos poucos o cavalo maior vai sendo introduzido mais diretamente, até que a doçura, a serenidade, a calma e outras qualidades que pertencem aos grandões também, possam ser vistas e sentidas pelo praticante com segurança.

Nos cursos que fiz os profissionais falaram sobre a andadura do pônei, que seu passo não oferece ganhos físicos e motores como o cavalo. Mas para quem precisa trabalhar alguns aspectos esse é um meio facilitador de iniciar com mais tranquilidade, paciência e segurança. É preciso avaliar o por que (necessidade) e saber bem o propósito da utilização. Mas os grandões não perdem em nada em ser fofinhos!!!♥